Alunos da Toledo Prudente têm projetos avaliados e aprovados por Harvard e Google

01 | 12 | 2020
Mariane Peres
Mariane Peres

Os
alunos da Toledo Prudente, Gustavo Roncolato Soares, de Sistemas de Informação,
e Letícia Noya dos Santos, de Pedagogia EAD, tiveram os projetos de pesquisa
avaliados e aprovados pela Universidade de Harvard, nos Estados Unidos, e pelo
Google. Com isso, a plataforma virtual concedeu US$ 1.150 de crédito para
soluções online em prol ao desenvolvimento dos trabalhos.



O
evento online trouxe como tema central a Covid-19, oportunizando que
estudantes do país produzissem pesquisas que pudessem auxiliar no combate à
doença ou contribuir com a transformação digital causada pela pandemia.

A
primeira análise foi realizada pela comissão da Sthem Brasil – Análise
Artificial, depois, os projetos selecionados foram submetidos ao Google, sendo
avaliados também pela Universidade de Harvard para o aval final. Cada trabalho,
teve a metodologia analisada, assim como o cronograma de investimentos.

 

Por
ser um consórcio nacional de instituições de ensino, alunos de todo o Brasil
participaram da seleção da Sthem.


LEIA TAMBÉM
Estudantes entregam livros à comunidade em projeto de incentivo à leitura
Gastronomia da Toledo Prudente apresenta pratos a restaurantes da região em ‘Insight Chef’


Com
o tema “Inclusão do ensino remoto no novo cenário de transformação digital
motivado pela pandemia com o uso de Inteligência Artificial no ensino e
aprendizagem da língua brasileira sinais”, a aluna de Pedagogia EAD, Letícia,
conquistou US$ 500 dólares de crédito. “Foi muito desafiador, ainda mais por
ter sido avaliado por Harvard. É preciso se preocupar também com a inclusão das
pessoas nesse processo de pandemia. A Inteligência Artificial pode favorecer a
participação e interação de pessoas com deficiência, sobretudo aqueles que
necessitam de libras”, contou.

O estudante
de Sistemas de Informação da Toledo Prudente apresentou o projeto
“Identificação de câncer de mama com rede neural convolucional em imagens de
mamografia como forma de reduzir o contato físico em épocas de pandemia”,
recebendo US$ 650 para utilizar em soluções da plataforma Google. “O resultado
foi muito gratificante. É uma maneira de auxiliar nas primeiras etapas dos
exames, preservando as pacientes e reduzindo o contato”, disse Soares.

O
professor e coordenador das Trilhas TIE, Alisson Fernando do Carmo, que também
é responsável pelo Grupo de Pesquisa em Tecnologia Exponenciais e Inteligência
Artificial, no qual os projetos foram desenvolvidos, disse estar contente com o
resultado.

“É
de muita relevância ter conquistado a aprovação. Primeiro, por ter a liberação
dos recursos de crédito, isso mostra a relevância do trabalho, já que a
plataforma concordou com os valores solicitados. E segundo, mostrando o
reconhecimento e sinergia entre a Toledo Prudente, a Sthem Brasil, o Google e
Harvard”, concluiu.