Ciência sem Fronteiras seleciona aluno para estudar na Holanda

13 | 06 | 2012
Assessoria de Comunicação Toledo Prudente
Assessoria de Comunicação Toledo Prudente

O estudante Guilherme Correia Santos, que cursa o 7º termo do curso de Sistemas de Informação da Toledo Presidente Prudente foi selecionado pelo Programa Ciência sem Fronteiras, na modalidade concessão de bolsas para graduação sanduíche no exterior.

O Programa teve início no ano de 2011 e busca promover a consolidação, expansão e internacionalização da ciência e tecnologia, da inovação e da competitividade brasileira por meio do intercâmbio e da mobilidade internacional de estudantes do ensino superior no Brasil.

Santos foi aceito na Eindhoven University of Technology e explica que, para ser aprovado nesta seleção, desenvolveu um plano de atividades a serem realizadas em sua estadia na Holanda, cujo material contou com supervisão do coordenador do curso de Sistemas de Informação da Toledo, Mário Andreta Carvalho e da comissão acadêmica da faculdade holandesa.

O aluno permanecerá durante 12 meses na cidade de Eindhoven, na Holanda, quando terá direito a uma bolsa de estudos por meio de cota concedida pelo PIBIC/CNPq.

“Com essa oportunidade, poderei adquirir novos conhecimentos sobre tecnologia e sistemas de informação, além de ter novas abordagens e aplicações na área. Também aproveitarei para aprimorar a língua inglesa e tenho certeza que esta parceria irá contribuir muito para meu desenvolvimento tanto acadêmico, como profissional e também pessoal”, considera o aluno beneficiado, que atualmente é analista de tecnologia da informação de uma grande empresa de Prudente.

“É uma oportunidade bastante interessante para os alunos, já que eles poderão ser beneficiados com esta experiência intelectual em território internacional”, explica o coordenador do Programa de Iniciação Científica da Toledo, José Artur Teixeira Gonçalves.

O professor acrescenta que para obter a bolsa, o aluno disputou a vaga com outros estudantes da área de todo o Brasil. “O esforço do aluno valerá a pena, ele vai poder estudar em uma das instituições mais conceituadas e especializadas em tecnologia na Europa”, explica Gonçalves.

A bolsa compreende uma mensalidade para manutenção do aluno no exterior, passagem aérea de ida e volta, seguro saúde e taxas escolares na instituição estrangeira.

Sobre – O Programa Ciência sem Fronteiras é fruto de esforço conjunto dos Ministérios da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI) e do Ministério da Educação (MEC), por meio de suas respectivas instituições de fomento – CNPq e Capes –, e Secretarias de Ensino Superior e de Ensino Tecnológico do MEC.

O projeto prevê a utilização de até 75 mil bolsas para promover intercâmbio, de forma que alunos de graduação e pós-graduação façam estágio no exterior com a finalidade de manter contato com sistemas educacionais competitivos em relação à tecnologia e inovação.

ASSUNTOS
RELACIONADOS