Doação de medula óssea: um ato de amor

10 | 03 | 2022
Barbara Munhoz
Barbara Munhoz

Existem muitas formas de demonstrar amor pelo próximo. Doar medula óssea é uma delas. Movida por esse sentimento, a Toledo Prudente, por meio do trote solidário “Doe-se”, sensibiliza a comunidade acadêmica para abraçar essa causa, realizando o cadastramento de medula no Núcleo de Hemoterapia localizado na Santa Casa de Presidente Prudente, de segunda a sexta-feira, das 7h às 12h, e no 2º e 3º sábados dos meses, das 7h às 11h; basta levar um documento com foto. 

Atualmente, existem mais de 5 milhões de pessoas cadastradas no Registro Nacional de Doadores Voluntários de Medula Óssea (Redome), tornando o Brasil detentor do 3º maior banco de dados de doadores de medula óssea no mundo. 

Apesar da boa colocação, os números de transplante realizados poderiam ser maiores. Segundo dados do Redome, nos primeiros quatro meses de 2020, o país registrou queda de 37% no total de procedimentos, se comparado ao mesmo período de 2019. A baixa reflete o desafio que órgãos de saúde têm pela frente: conscientizar a população sobre a importância da doação de medula óssea. Para muitos, essa é a única chance de sobrevivência, como é o caso de Bruna Miraya. 

Ela levava uma vida completamente normal até descobrir um tipo raro de câncer de medula, conhecido como Síndrome Mielodisplásica, que interrompe a produção de células sanguíneas, afetando a oxigenação e os mecanismos de defesa do corpo. O diagnóstico, no entanto, levou cinco anos, já que as investigações começaram focadas em um dos sintomas da doença: a anemia. 

Bruna alcançou a marca de 4 g/dl (grama por decilitro) de hemoglobina circulando no organismo, o que, dentro da normalidade, é de 12 g/dl. Essa condição gerou inúmeros desconfortos físicos, como fadiga, dores de cabeça, taquicardia constante, sonolência e até certa confusão mental. Hoje, aos 34 anos, ela espera encontrar algum doador compatível, pois, ao contrário de outros tipos de câncer, não existe quimioterapia que possa curar este.

“A princípio, doador não seria um problema, já que quatro dos meus cinco irmãos são compatíveis comigo. Contudo, por problemas genéticos, eles foram inviabilizados e, hoje, a única chance que eu tenho de continuar a viver é encontrando um doador não aparentado”, afirma a geóloga. 

Dependendo exclusivamente de transfusão de sangue para melhora da qualidade de vida, Bruna é submetida a quimioterapias, tratamento que retarda a doença e impede que evolua para leucemia aguda, além de remédios para combater os efeitos colaterais das transfusões de sangue constantes. 

A Síndrome Mielodisplásica é uma das nove principais doenças que podem ser tratadas com o transplante de medula óssea, de acordo com o Redome. Elas dividem-se em: leucemia, anemia aplástica, anemia de Fanconi, Síndromes Mielodisplásicas (provocadas pela deficiência medular), linfomas, mieloma múltiplo, hemoglobinopatias, tumores de testículos e neuroblastomas. 

“Doando medula você salva a vida de alguém. Na verdade, salva várias pessoas, porque você acabará com a agonia de todos que amam a pessoa adoentada, que continuará a viver por sua causa. É um processo não cirúrgico, rápido, e que não causa nenhum prejuízo à saúde de doador”, conclui Bruna. 

Sobre o cadastramento 

Cadastrar-se no Registro Nacional de Doadores de Medula Óssea é muito simples. Segundo o Redome, basta atender aos requisitos abaixo:

• Ter entre 18 e 35 anos de idade;

• Estar em bom estado geral de saúde;

• Não ter doença infecciosa ou incapacitante;

• Não apresentar doença neoplásica (câncer), hematológica (do sangue) ou do sistema imunológico;

• Algumas complicações de saúde não são impeditivas para doação, sendo analisado caso a caso.

Vale lembrar que o cadastro fica ativo até os 60 anos. Para os já cadastrados, é importante manter os dados atualizados no site: redome.inca.gov.br

Em Presidente Prudente, o cadastramento acontece no Núcleo de Hemoterapia, localizado na Santa Casa. Basta estar munido de documento com foto e assinar um termo autorizando a coleta de 5ml de sangue para o cadastro. 

“O transplante de medula óssea é a única esperança de cura para muitas doenças do sangue, mas, para que seja possível a sua realização, é necessário que haja compatibilidade entre o doador e a pessoa doente. A cada cem mil pacientes, apenas um doador é compatível. Devido a essa estatística, quanto mais doadores houver, maiores serão as probabilidades de compatibilidade entre as pessoas”, observa Zenaide Brito, agente de captação na comunicação social do hemocentro. 

Para mais informações, acesse: www.redome.inca.gov.br.

Trote solidário

Além do cadastramento de medula, nesta edição do “Doe-se”, o trote solidário da Toledo Prudente, alunos, professores e colaboradores são incentivados a doar sangue e caixas de leite ao Núcleo Tterê, até 18 de março.  

Alunos doadores de sangue ou que optarem pelo cadastramento de medula óssea, junto às unidades de saúde responsáveis, podem solicitar um atestado, que deverá ser anexado no Portal Universitário e, conforme disponibilidade, contará na certificação de horas complementares.  

No momento da doação, não se esqueça de garantir uma foto e marcar a Toledo Prudente nos Stories do Instagram (@toledoprudente). Assim, seu registro vai para a conta oficial do Centro Universitário, inspirando outras pessoas nessa corrente solidária!  

Como participar? 

Doação de caixas de leite para o Núcleo Tterê 

Locais de coleta: Toledo Prudente (entrada principal e entrada do bloco 3). 

De segunda a sexta-feira, das 8h às 22h. 

Doação de sangue  

Hospital Regional 

R. José Bongiovani, 1297. 

Horário para doação: todos os dias, das 7h às 17h.  

Núcleo de Hemoterapia 

Localizado na Santa Casa 

Horário para doação: de segunda a sexta-feira, das 7h às 12h. No 2º e 3º sábados dos meses, das 7h às 11h. 

Instituto RH 

Av. Cel. José Soares Marcondes, 2063

Horário para doação: de segunda a sexta, das 7h às 16h.  

Cadastro de Medula Óssea 

Núcleo de Hemoterapia 

Localizado na Santa Casa  

Horário para doação: de segunda a sexta-feira, das 7h às 12h. No 2º e 3º sábados dos meses, das 7h às 11h.