Estudantes de Fisioterapia orientam pacientes da Carim sobre os “Pés Diabéticos”

14 | 11 | 2023
Lais Ernesto
Lais Ernesto

Em comemoração ao Dia Mundial do Diabetes, que acontece hoje (14), o curso de Fisioterapia da Toledo Prudente Centro Universitário realizou, em parceria com a Carim – Associação de Apoio ao Paciente Renal Crônico e Transplantado de Presidente Prudente, uma manhã de cuidados com os pacientes da associação, na última sexta-feira (10).

Durante a iniciativa, os alunos, orientados pela coordenadora do curso, Alessandra Madia Mantovani, realizaram uma avaliação e orientação sobre a neuropatia diabética periférica, com a prevenção de complicações diabéticas nos pés.

“A ação foi voltada para pessoas com diabetes, para que conheçam e previnam possíveis complicações decorrentes do Diabestes Mellitus. Por isso, o enfoque do trabalho da Fisioterapia foi o ‘Pé Diabético’”, explica Alessandra.

A iniciativa ocorreu como uma extensão universitária, que tem como objetivo a relação entre a Instituição de Ensino Superior e a comunidade, promovendo o atendimento à população e desenvolvendo nos estudantes o conhecimento prático.

Para a enfermeira da Carim, Bianca Vieira Zakir Capistano, a parceria com a Toledo Prudente é importante na ampliação dos atendimentos, além de conscientizar dos futuros profissionais sobre a realidade da DRC (Doença Renal Crônica), como problema de saúde pública.

“A ação voltada para o público portador de diabetes foi de suma importância. Uma das complicações do diabetes são problemas de circulação, úlcera, perda de sensibilidade que pode, também, levar lesões e, consequentemente, amputação do membro, já que o diabetes também dificulta o processo de cicatrização”, explica a enfermeira.

Além da ação feita pelo curso de Fisioterapia da Toledo Prudente, foi realizado uma coleta de creatinina dos pacientes que foram encaminhados pela UBS (Unidade Básica de Saúde), com a finalidade de prevenir e rastrear a DRC. “Quanto antes diagnosticar e iniciar o acompanhamento, maior a chance de evitar a progressão para o último estágio, que se inicia o tratamento dialítico e retardar a doença”, conclui a enfermeira.