Professora conclui doutorado pela Unesp

02 | 03 | 2011
Assessoria de Comunicação Toledo Prudente
Assessoria de Comunicação Toledo Prudente

Durante quatro anos, a professora dos cursos de Administração, Ciências Contábeis e Serviço Social da Toledo Presidente Prudente, Andrea Pennacchi Marcondes dedicou-se ao estudo comparativo de um grupo de oficiais responsáveis pela política externa do Departamento de Estado dos Estados Unidos no início da Guerra Fria. O trabalho resultou em sua tese de Doutorado intitulada “A Guerra Fria e a política contencionista de George Kennan no estudo comparativo de uma elite do poder (1945-1950)”.
 
No último dia 25, aconteceu a defesa da tese, orientada pelo professor Doutor Milton Carlos Costa,  da Universidade Estadual Paulista (Unesp- Assis). A banca foi composta por docentes da Unesp, da Universidade de São Paulo (USP) e da Universidade Estadual de Maringá (UEM).
 
De acordo com Marcondes, o estudo abordou a vida e o perfil desse grupo de elite,  analisando a evolução de sua vitoriosa trajetória político-social e os fatores que os levaram a ser expulsos do centro do campo de poder e substituídos por outros oficiais, mais radicais em relação à política externa a ser adotada com os soviéticos. Todo o processo foi intermediado por um documento denominado ‘Longo Telegrama’, escrito pelo historiador norte-americano George Kennan,  no qual o autor recomenda estratégias para o Departamento de Estado norte-americano fazer a contenção do expansionismo soviético, ou seja, trata das origens da Guerra Fria.
 
“Foi um período fascinante, em que aprofundei meus conhecimentos sobre as lutas entre as elites em pensadores  como Pierre Bourdieu, Pareto, Mitchells e Wright Mills e que me ajudou, inclusive, a compreender melhor o processo das disputas por poder. Ao ocuparem uma posição dominante no campo político, os sujeitos pesquisados criaram e mantiveram fortes vínculos com as frações dirigentes por meio de estratégias sociais, acadêmicas ou profissionais e com isso, puderam ocupar posições políticas, administrativas, diplomáticas ou militares de destaque imediatamente após a Segunda Guerra Mundial. Ao estudar esse grupo, ficaram muito mais claros para mim como a afinidade de interesses econômicos, de classe ou de filiação ideológica os levou a  criar vínculos de homogeneidade e solidariedade entre si e os fortaleceu para se apropriarem do aparelho burocrático do Departamento de Estado e dominar a política externa de seu país, dando origem à Guerra Fria.  Pude observar, também,  que  a luta pelo poder burocrático que vemos acontecer dentro das empresas, tem a mesma característica das disputas no campo político, pois  ambas implicam em conflitos internos em que grupos dominantes se sucedem uns aos outros no exercício da dominação política”, reflete a professora.
 
Trajetória
Formada em Historia pela USP, Andrea Pennacchi Marcondes concluiu em 2006 seu mestrado na área de História e Sociedade, dissertando sobre “As Influências do Realismo Político e do Complexo Industrial-Militar no Expansionismo Norte-americano (1990-2004)”.
Além disso, é especialista em Administração Estratégica, com Ênfase em Recursos Humanos e Finanças, pela Toledo Presidente Prudente e em Formação Geral e Desenvolvimento Administrativo pela FIA-USP. 
 

 

ASSUNTOS
RELACIONADOS