Toledo segue recomendação da OAB e Capes

04 | 03 | 2011
Assessoria de Comunicação Toledo Prudente
Assessoria de Comunicação Toledo Prudente

Antes mesmo da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) e a Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) recomendarem que as instituições de ensino públicas e privadas brasileiras adotem políticas de conscientização e informação sobre a propriedade intelectual, conforme edital, a Toledo Presidente Prudente já utilizava o Programa de Detecção de Plágios, denominado ‘Farejador’.

Desde 2008, o software é utilizado como uma forma de inibir a prática do plágio em artigos, teses, resenhas e monografias de autoria dos alunos dos cursos de graduação e pós-graduação da Toledo Presidente Prudente.

“Antes mesmo destes orgãos fazerem tal recomendação, a Toledo já trabalhava neste sentido. Desde que implantamos o programa, houve uma redução considerável de trabalhos com detecção de plágio, que afeta a qualidade da obra como um todo, expondo na mesma um raciocínio que não é do aluno, sem a devida citação”, diz a supervisora de monografias do Núcleo de Estudos e Pesquisas (Nepe) da Toledo, Daniela Martins Madrid.

Sobre – O Programa de Detecção de Plágios – Farejador, é um software utilizado pela Toledo Presidente Prudente com objetivo de inibir a prática do plágio em trabalhos acadêmicos. Atualmente, toda e qualquer monografia é liberada para apresentação do (s) autor (es), somente após a verificação do Farejador.

O programa é constituído por uma base de dados proveniente de sites de busca, como o Google, Cadê e outros, que verificam a semelhança de sentenças contidas no trabalho e em sites da web. “Caso seja feita a confirmação de que o trabalho contém plágios, a reprova do autor é certa e o aluno necessita realizar todo o processo de monografia novamente”, diz.

 

ASSUNTOS
RELACIONADOS