Trabalhos de alunos da Toledo Prudente estão inscritos no Projeto Spark, do SEBRAE

15 | 05 | 2024
Julhia Marqueti
Julhia Marqueti

Na busca incessante por inovação e empreendedorismo, a Toledo Prudente incentiva seus alunos a criarem projetos criativos e impactantes. Com recentes excelentes resultados em sala de aula, alguns estudantes do curso de Administração se inscreveram para o Projeto Spark, do SEBRAE.

Ao todo, 3 projetos terão a oportunidade de tirar a ideia do papel e aprender o processo de desenvolvimento de uma startup na prática. Ao longo do percurso, os alunos poderão curtir workshops, mentorias e imersões que ajudarão a transformar sua pesquisa acadêmica em uma startup inovadora

Criados na disciplina de Desenvolvimento e Análise de Novos Negócios I, com o professor João Lucas Amorim, um dos projetos tem como foco a melhoria das filas em atendimentos médicos.

Pensado pelas alunas Stefania Calderan Franceschini e Maria Fernanda Brabo Mendes, o projeto delas se chama MARQ e é um aplicativo de celular.

“Ele se trata de um aplicativo de filas virtuais para pontos de atendimentos médicos onde você mesmo, da sua casa, já pode acessar o ponto de atendimento e ter uma previsibilidade de quanto tempo em média leva para ser atendido e já se inserir na fila. Com isso, ele otimiza o tempo de espera enquanto se arruma e se desloca até o hospital”, explica Stefania.

Como inovação é quase que o codinome dos universitários da Toledo Prudente, o outro projeto desenvolvido pelos alunos é totalmente diferente. O grupo composto por Pedro Paulo Chagas Mazaro, Caio Ciambelli, Leonardo Zanutto, Thiago Klinchen Manganaro, Felipe Caobianco Casagrande, pensou em algo para o outro setor.

“O nosso projeto tem o nome prévio de SunGrow Hidroponics. Ele consiste em uma empresa de implantação da estrutura hidroponia, com opções para produtores (CNPJ) ou pessoas físicas, com a implantação de uma estrutura vertical para hortaliças ou plantas ornamentais”, conta Pedro.

Se no projeto da Stefania e Maria Fernanda o diferencial é a organização do tempo dos pacientes, o outro grupo fica com uma opção sustentável e econômica para o cultivo de hortaliças ou plantas.

“Nosso diferencial é a estrutura com um material mais acessível e sustentável que está em desenvolvimento e também a instalação de placas solares para alimentar o motor da hidroponia”, disserta Pedro.

Se as ideias se distinguem entre si, um motivo une os dois grupos: a chance de aprender ainda mais sobre startups e a oportunidade de conquistarem parceiros para a empreitada. Afinal, ambos têm a chance de tirar o projeto do papel.

“A nossa expectativa para o Spark é apresentar a nossa iniciativa para que algum investidor tenha vontade de aderir e fazer crescer o nosso projeto. Achamos muito legal a iniciativa do Sebrae para startups inovadoras”, finaliza, Pedro.

Além deste ponto, Stefania destaca os conhecimentos práticos que terão durante os encontros, ou seja, todo aquele conteúdo que vai além da sala de aula.

“Já vimos no primeiro encontro que iremos aprender a desenvolver um modelo de canvas que não conhecemos, por exemplo. Acredito que ainda vamos aprender sobre os conhecimentos mais práticos, como desenvolver um MVP, aprender sobre toda a parte do planejamento do projeto e como montar a sua estrutura de forma consolidada para que quando colocado em prática o projeto seja viável. É um conhecimento além da faculdade pois agora não é apenas estudar sobre a possibilidade de abertura de um negócio, mas sim como fazer tudo na prática e do zero”, finaliza a aluna.

ASSUNTOS
RELACIONADOS